QUAL CURSO ESCOLHER? | Farmácia

30.12.16


Essa entrevista faz parte do projeto Qual Curso Escolher?, que tem por objetivo ajudar você que ainda não escolheu uma graduação para chamar de sua, ou que já escolheu, mas que não está satisfeito com a escolha. O projeto é composto por várias entrevistas com acadêmicos de diversos cursos de graduação. Para saber mais sobre o projeto, e ler outras entrevistas, é só clicar AQUI.

Nome: Kellen Ugioni Simon
Idade: 22 anos
Instituição: UNESC
Fase: 4º
Curso: Farmácia

Porque você escolheu fazer Farmácia?

Anteriormente eu cursava Engenharia Química, só que a minha paixão maior é a parte mais química. E eu não estava me encaixando no curso. Eu não estava gostando do curso. Então eu olhei nas grades de todos os cursos da Unesc, e me encaixei melhor na grade curricular de Farmácia, que habilita bioquímica também. Que vamos dizer assim, é a minha primeira opção de curso, mas não tem aqui [risos]. Então seria mais ou menos por isso. Eu analisei muito bem as grades antes de resolver mudar, e entrei de cabeça. 

E o que te faz acreditar que esse é o curso certo?

A cada semestre, a cada novo conhecimento, a cada passo que eu dou, a cada descoberta, é como se eu ganhasse um presente novo. É muito bom! É muito gratificante! Eu acho que o conhecimento em si é gratificante. E não é o fator: “ai eu estou fazendo Farmácia porque eu quero ter um salário melhor, porque eu quero trabalhar atrás de um balcão”. Não! Eu quero conhecer toda a interação do medicamento no organismo do próprio ser humano. Todas as etapas, engloba doenças, toda a... gente é muito bom!

Ao entrar no curso tu tinhas muitas expectativas? Se sim, quais eram? 

Na verdade não sei se eu tinha expectativa, não sei te dizer algo de expectativas. Quando eu entrei no curso, entrei com uma mentalidade. “Eu vou entender melhor a parte química do medicamento porque essa é a minha área. Porque é o que eu mais me identifico, eu sou da química”. Mas vamos dizer assim, no começo até tu encontra bastante química, mas tu vai deixando o conhecimento mais especifico. Tu vai deixando uma química mais, mais...

Aprofundada?

Hm, não. Ai, an, mais do próprio organismo. Uma resposta do próprio organismo.

Uma química orgânica?

Não tanto, mais como uma bioquímica. A própria resposta do teu organismo, todos os estímulos... é fantástico! [risos]

Além dessas, tu tinhas outras em relação ao curso, grade curricular, professores? 

Por professores... eu não tinha tanto conhecimento de professores. Mas os professores são fantásticos! Eu sou assim, suspeita para falar, porque principalmente os professores da Farmácia em si são excelentes!

Isso ajuda bastante no aprendizado né, quando os professores são bons!

Nossa!

E quais são as diferenciais do teu curso? O que faz Farmácia ser o que é? Qual a grande importância dele?

Primeiro de tudo: o medicamento não é algo que tu pode ir lá e pegar como se você estivesse em um mercado. O medicamento em si é uma química perigosa se tu não saber usar. Um simples paracetamol pode levar uma pessoa a óbito, se não for usado da forma correta. Vamos dizer assim, o farmacêutico tem a necessidade de ter todo o conhecimento para auxiliar o pessoal. Porque vamos dizer assim ó, as pessoas nem sempre tem todo o conhecimento de que: “ah esse remédio tens que tomar pela manhã”, “ah, mas porque eu tenho que tomar esse remédio pela manhã? Porque que eu não posso tomar pela noite?”. Nem todo mundo é igual, nem todo o mundo aceita uma opinião. Então as vezes tu precisa conversar com eles. Não é apenas uma venda, é como se o teu cliente fosse o teu paciente. Porque eu acho tão superficial quando tu: “ah eu tô com resfriado vou lá na farmácia”, o cara vai lá te entrega o medicamento, e eu tomo a hora que eu quero, como eu quero, as vezes não cura, as vezes nem é uma simples gripe, as vezes eu to fazendo tudo errado. As vezes o pessoal precisa dessa orientação. No caso de uma simples gripe o farmacêutico até pode auxiliar, com xarope, com um medicamentinho vamos dizer assim, um medicamento para gripe (um antigripal), mas também auxiliar, e se for um caso mais grave? Dá medicamento? Não! Auxilia a pessoa a buscar um profissional da área da saúde correspondente.

No caso, o farmacêutico além de dar o remédio para a pessoa, também tem essa questão de auxiliar ela a procurar um médico quando esta acha que a doença não é tão grave. Sendo que pode ser. 

Sim, quando há necessidade, quando há os sintomas que a pessoa apresenta, dependendo do, ah vamos dizer assim: “ah eu estou com uma dor de cabeça hoje, amanhã eu estou com alguma outra coisa que pode estar associada as vezes com um conhecimento que o farmacêutico tem, alguma coisa que ele já tenha conhecimento, ele pode “opa, isso pode ser algo um pouquinho mais sério”. E hoje as pessoas tem se automedicado muito. Tanto que o maior risco da auto medicação é criar bactérias resistentes. Porque ah, eu estou com uma infecção na garganta, eu vou lá e compro um antibiótico, não tomo ele correto. Porque hoje em dia o antibiótico é com receita, mas se eu conseguir em algum lugar, posso criar uma bactéria resistente por não tomar o medicamento da forma correta, pois não tive orientação para isso. Então o farmacêutico é muito importante.

E como é a tua vivência enquanto acadêmica de Farmácia? 

Como assim?

Como acadêmica, tipo, como funciona esse meio acadêmico do curso de Farmácia sabe, com os teus colegas? Com o Centro Acadêmico? Essa relação assim.

O C.A. está fechado [risos]. Mas a gente tem a coordenação do curso, que é sempre bem disponível. A gente tem uma secretária que eu posso dizer pela da manhã, que agora eu não tenho tanto contato com a da noite. Mas a de manhã, é um amor de pessoa, super atenciosa. O pessoal da coordenação do curso sempre disposto a ajudar quando, “ah, surgiu algum problema”, “ah, posso te ajudar?”. É, é muito bom! Eles procuram sempre manter uma união, uma conversa com o pessoal.

E aqui na Unesc tem o hospital né, um acadêmico de Farmácia pode fazer estágio lá dentro? Trabalhar lá?

As clínicas integradas?

Isso!

Sim! Tem dois locais: tem a farmácia solidária, e tem a farmácia escola. A farmácia solidária ela é... aproveitando para divulgar um pouquinho. Ela depende da doação da população. Todo remédio que, ah, vamos dizer assim, “fiz um tratamento, o médico disse que era para mim tomar uma quantidade de dias e acabou sobrando. Vou descartar ele de qualquer forma?”. Não! Descartando-o de forma incorreta ele também contamina o meio ambiente. Ele contamina a própria água que a gente toma. E não existe tratamento para essa água nesse fator medicamento. As vezes a gente já está tomando uma água que tem medicamento, as  vezes a gente não está sabendo disso, entende? A forma mais correta para descarte, é ir até nas unidades básicas de saúde em postinho de coleta, e eles trazem aqui para a Unesc, também ali para a farmácia solidária, que é para redistribuir para o pessoal que precisa. Que aí tem um horário de atendimento que é distribuído senha para o pessoal também. Já a farmácia escola ela é algo se eu não me engano, é vinculado a prefeitura e precisa de algo que passa pela justiça, mas não lembro o nome. E sim, o pessoal pode optar por fazer estágio por ali. 

E com relação ao mercado de trabalho, em quais áreas tu podes trabalhar tendo como diploma Farmácia?

Nossa! Farmácia aqui da Unesc habilita bioquímica também, então no total são 72 ou 78 áreas de atuação, não lembro agora. 

Nossa, bastante!

É! Muita! 

Provavelmente  a pessoa que escolher Farmácia não tem como não se encontrar no mercado de trabalho. 

Sim! Cada um acaba gostando de uma área. Análises clínicas, ou a própria dispensação, ou farmácia clínica. Depende, tem até a farmácia estética. Famacêutico estéta, sim! Vamos dizer assim: aquele que teve no Bem estar, teve uma revolta aí entre os farmacêuticos porque eles disseram que só médico poderia usar toxina butolinica. Não, nós também podemos. Eu só depois de formada, claro [risos]. 

Que legal! E, podes citar mais áreas de atuação? 

Olha, é tanta! Que muitas vezes até a gente se perde, sabe?! Eu faço parte de pesquisa, pode ser na área de pesquisa também. Vamos ver... área de micro biologia, tem... nossa tem muitas!

E o mercado de trabalho ele tá inchado, ou ele está tranquilo no quesito concorrência?

Sim, e não. Porque agora veio aquela lei que a farmácia não pode ficar sem um farmacêutico. Se a farmácia estiver aberta não pode ficar sem um farmacêutico. Então tem a necessidade de se a farmácia ficar aberta 24 horas, no mínimo tem que ter três farmacêuticos. porque um farmacêutico não pode trabalhar mais de 8 horas, então uma farmácia que trabalhe, vamos dizer assim, se for uma farmácia pequena ela tem que ter no mínimo três, se for uma farmácia maior, a demanda é maior. 

Qual conselho que tu dá para aqueles que estão pensando em cursar Farmácia?

Olha, eu AMO o meu curso! Não troco por nada nesse mundo. Quem pensa assim ó: que "ah, eu não gosto da parte de biológicas", tem. Tem muitas células, tem muitas organelas, tem parte fisiopatológicas, tem muitas doenças para estudar, tem muitas coisas. Gente, é tudo tão lindo [risos]! Fármacos, toda a farmacocinética, a fármacodinâmica, toda a interação do medicamento no corpo. Interação do medicamento com alimento, tem tantos mecânismos. Gente, é fantástico! É fantástico! Parece assim que tu entra em um mundo novo. Ali que tu começa: eu quero isso para mim, eu quero isso também. Sinceramente, eu ainda não consegui descobrir uma área para seguir depois. Porque é tudo apaixonante! Assim ó, tem a parte de análises clínicas que envolve: a urinálise (análise de urina, fezes, excrementos). É uma coisa normal, fisiológica, todo mundo faz [risos]. É tão, eu acho que assim ó, todo o trabalho que a gente faz, desde que a gente ame o que a gente faça, é prazeroso, é gostoso de fazer. Eu me encontrei no meu curso. Acho que não tem do que reclamar, do que não gostar.

Então o conselho para quem está pensando em fazer Farmácia seria: se tu ama essa área de química, bioquímica, do corpo e etc., pode fazer que está no curso certo.

Pode vim que é com a gente.

Então é isso. Muito obrigada por conceder a entrevista <3

Essa foi a última entrevista do ano, espero que tenham gostado dela. Pensem com carinho em suas opções de curso, pois não é uma escolha muito fácil de ser feita. Boa sorte! E mais uma vez, obrigada Kellen por ter concedido a entrevista ao blog.

Ah, e amanhã vai ter post aqui no VP, o último do ano. Ativem as notificações da página do blog no Facebook que irei avisar por lá a hora que o post for ao ar, mas caso vocês não possam ler, já deixo aqui o meu feliz ano novo para vocês. Que 2017 seja um ano muito melhor para todos. Um grande beijo, e até.

Leia também

0 comentário(s)